Esta é uma versão antiga do site do Sinjus. Clique aqui para acessar o site novo.
 
Untitled Document
23/12/2015 - 15:00
Greve, grupo e poder: uma análise psicológica

*Por Arthur Lobato

Para falar dos impactos psicológicos sobre os servidores da 2ª Instância do Judiciário mineiro, vou propor uma lógica dialética, e tenho que me ancorar em dois autores, Michel Foucault, que analisou a questão do poder, e Freud, em seu trabalho de psicologia do grupo. Assim, vou tentar fazer uma analogia com o movimento grevista dos servidores liderados por seu Sindicato, o SINJUS, a partir de minha percepção, já que participei de várias AGEs, acompanhei as manifestações na Assembleia Legislativa, além de ler diariamente o site e jornais do Sindicato.

A partir dos estudos de psicologia de grupo, Freud destaca dois fatores essenciais à coesão do grupo: o líder e a ideia, pois estas são as forças aglutinadoras do grupo.

Vamos chamar de ideia, a Pauta de Reivindicações da campanha salarial, e o líder, a diretoria do Sindicato.

Assim, o grupo é composto pela Ideia, pelos servidores e pela direção do Sindicato, que cria uma mente coletiva, que faz pensar e agir de forma diferente daquela que cada membro individualmente sentiria e agiria em estado de isolamento. O indivíduo, no grupo, se sente mais forte que individualmente. É a força do coletivo, como vocês puderam vivenciar e constatar.

Assim, o laço emocional do grupo está com o líder (direção do Sindicato), os membros do grupo e a ideia (pauta de reivindicações), onde estão os anseios e desejos do grupo.

Tanto a ideia quanto o líder possui um poder misterioso irresistível, que chama prestígio (base relação de confiança e admiração do grupo com a liderança). Segundo Freud, o prestígio paralisa nossas faculdades críticas e enche-nos de admiração e respeito. Importante no aspecto emocional e psicológico do grupo é o contágio emocional, que presenciamos nos discursos, depoimentos, manifestações e demais atitudes do grupo durante a greve. Esse contágio reforçou a solidariedade e a união dos servidores.

Assim, destacamos que enquanto o grupo está vinculado aos laços emocionais do coletivo, o indivíduo preocupa-se consigo apenas, característica do individualismo no mundo moderno.

Por outro lado existe o poder representado pela instituição tribunal estadual. Aqui, buscamos compreender os impactos desse poder sobre a subjetividade do servidor, envolvido em conflitos psíquicos e emocionais que podem gerar, angústia, sensação de injustiça e impotência. Foucault descreve os efeitos do poder: ele exclui, reprime, recalca, censura, abstrai, mascara, esconde. Assim, o poder afeta todo o contexto psíquico/emocional do ser humano. No caso do mundo do trabalho, através da disciplina, que Foucault afirma ser uma coerção ininterrupta, que busca fabricar corpos dóceis e úteis aos interesses do poder, através de regras, normas, vigilância e punição.

O objetivo do poder com seus atos autoritários é criar o medo coletivo, chamado por Freud de pânico. E a partir deste medo coletivo, o poder vai impor sua vontade sobre os indivíduos, pois perde-se com o medo a força do coletivo, que é a força do grupo.

Exemplos como as guerras da antiguidade quando a morte do líder causava pânico e debandada do exército.

O primeiro golpe do poder é sobre a ideia, quando se nega o diálogo, posterga-se as negociações, rejeita-se a própria Data-Base, conquistada com muita luta dos servidores do Judiciário. A negação do diálogo cria a invisibilidade do servidor, do Sindicato e da Pauta de Reivindicações. Para o poder, a ideia do grupo é negada, sem que fosse ao menos analisada.

O segundo golpe do poder é contra a liderança, com a proibição de atividades sindicais básicas como panfletar, colar cartazes, com uma intimidação física aos diretores do Sindicato nos atos públicos, multa ao carro de som nas manifestações, pois, quando multava, houve um roubo, e ouviu-se o guarda falar “a ordem é multar”. Foram gerados boletins de ocorrência contra as lideranças sindicais. Agora, questões sindicais viram caso de polícia, uma forma a mais de intimidar. O poder também utiliza de seu site e intranet com matérias que contradizem as publicações do Sindicato, além da coerção e pressão das chefias sobre os servidores, de forma a forçar a não adesão ao movimento grevista.

O terceiro golpe do poder foi talvez o mais mortífero: desconto dos dias parados da greve de 2011 e instauração de sindicâncias que podem evoluir para Processos Administrativos, prejudicando o servidor em progressões e promoções na carreira funcional.

Assim, através do Processo Administrativo, que é uma  disciplina, o poder como afirma Foucault, quer formar corpos dóceis e submissos, sendo que cada Processo causa no servidor uma seara kafkaniana, a angústia frente a processos lentos e intermináveis, com quase certeza da punição, pois quem julga é parte interessada no processo.

Nesta época escrevi um artigo publicado pelo Sindicato sobre greve, retaliação e os impactos sobre a subjetividade do servidor, questionando o autoritarismo, as práticas antissindicais e a liberdade de expressão, contidas nestes três atos do poder e seus impactos sobre a subjetividade do servidor e do movimento sindical.

As doenças psíquicas, segundo Dejours, envolvem a organização do trabalho, a hierarquia, o controle, a vigilância, as relações de dominação no seio do trabalho e a dominação psíquica.

Neste momento, lembrei-me do trabalho que desenvolvi para o Sinpef, Sindicato dos agentes escrivães e papiloscopistas da Polícia Federal. A categoria fez uma greve nacional, inédita, midiática, com protestos e muita pressão e opressão por parte de seus superiores, desde os delegados até o Ministro da Justiça. E durante o conflito em 2013, a força do grupo e do coletivo prevaleceu frente às retaliações. Protestos, atos públicos, foram realizadas audiências públicas em Minas e na Câmara dos Deputados em Brasília. Assim, a liderança e o grupo continuaram unidos em torno da ideia, fortalecendo os laços emocionais do coletivo.

Voltando ao terceiro ato do poder, o desconto e a punição dos grevistas de 2011. Ali foi um momento crucial para a categoria, ou seja, como a direção e a categoria iriam reagir enquanto grupo. E a categoria não se abateu, não se amedrontou. Surgiu uma força coletiva que somente os grandes homens e mulheres possuem, em busca não apenas de mais direitos, mas de resgatar a dignidade a honra o direito e a justiça, afinal, estamos falando de trabalhadores da Justiça. 

Pude comprovar tal sentimento de indignação na assembleia que deliberou pela greve, onde havia um grande número de grevistas de 2011, que não se abateram e foram favoráveis, em sua maioria, à greve de 2015. A opressão não surtiu efeito, pelo contrário, mobilizou e criou a indignação entre os servidores.

Essa força psíquica e emocional, esse sentimento de indignação contagiou o grupo. E a solidariedade dos servidores para com seus colegas e a direção do Sindicato, a força da liderança, o valor da ideia, foi o alicerce psíquico e emocional que sustentou esses diversos dias de paralisações, assembleias, atos públicos, apoio de entidades sindicais, profissionais de saúde e de todos os presentes no III Congresso Ibero Americano de Combate ao Assédio Moral, pois todos concordaram com a relação do autoritarismo do exercício do poder e a preocupação com a saúde psíquica e emocional dos servidores de 2ª Instância.

Posso afirmar, que segundo Freud, a ideia e o grupo não sobreviveriam a queda da liderança, seja por medo, fraqueza ou pelo medo da categoria nas assembleias ante os golpes do poder. Mas a força do coletivo, a qual presenciei, fez com que o grupo se consolidasse como uma força homogênea. As redes sociais foram também um canal de comunicação de apoio mútuo, eliminando o medo, a incerteza, pois era injusto o que estava acontecendo na Casa da Justiça. Já que se negava o mínimo a que executa o serviço, enquanto juízes e desembargadores tinham aumentos salariais e benefícios corporativos.

Assim, constatamos que o poder tentou exercer seu domínio de várias formas. Mas surge a reação, o oposto do desejado pelos donos do poder, em vez de se calar, o Sindicato falou mais, denunciou, afinal, "cala a boca já morreu". Tenho que destacar também como o poder atuou contra o grupo da 1ª Instância, proibindo na mídia a campanha salarial feita pelo Sindicato, processando a presidente da entidade, e servidores que replicaram nas redes sociais matéria da revista época, sobre salários de juízes.

Os servidores do Judiciário, estão unidos em uma ideia que ultrapassa a campanha salarial. Agora é uma questão de honra, do resgate da dignidade, de dizer basta, pois se antes os servidores enfrentavam más condições de trabalho, metas, produtividade, PJE, assédio moral, agora, a luta é por direitos, pela dignidade e pela unidade do movimento sindical. Assim, a força do grupo se revelou naquela palavra essencial que sempre falo no combate ao assédio moral: a solidariedade. Se indignar e lutar contra a injustiça, ser solidário com meu colega ao lado. Somente sendo solidários, venceremos o individualismo, a competitividade exacerbada, características do trabalho no mundo globalizado.

Por fim, o poder através de uma ação civil pública, impediu a continuidade do movimento grevista, apoiado no fator econômico, multa de 100 mil reais dia ao sindicato, caso a ordem judicial não fosse cumprida. Aqui, para impedir a atividade sindical, temos a judicialização com o apoio do poder econômico (a multa). Podemos afirmar, que ao utilizar o fator econômico, o poder não age mais sobre o indivíduo, mas sobre o grupo, comprovando a tese de Foucault, que “o aparato da justiça tem que se ater à realidade incorpórea”, ou seja punindo o grupo como um todo, e não apenas corpos e mentes individualmente.

Entendo que, mesmo assim,  no coletivo, o grupo estava mais forte,mais unido entre si, com a ideia e com a direção do sindicato, pois perceberam a força do coletivo e a importância da participação ativa no movimento sindical. E isso foi a chave para que houvesse as negociações e que um acordo digno pudesse ser assinado entre as partes, ou seja, o poder teve que ceder ante a força do grupo.

Portanto, considero motivo de orgulho, sem a negatividade deste pecado capital, orgulho no sentido positivo da palavra, de estar com vocês neste momento, pois a força de vocês, a união a coesão a solidariedade e a indignação, preservou e fortaleceu a força do grupo, preservou a ideia e a liderança, e agora mais fortes porque unidos e solidários, percebemos a força do grupo, este sentimento coletivo que mudou o jogo de relações de forças e forçou o poder a ceder. Acredito que quando vocês lembrarem deste ano terão orgulho de tudo que vocês vivenciaram enquanto grupo, pois o que estava em jogo era a honra a dignidade e o direito.

Podem contar com este parceiro dos servidores e do SINJUS/MG.

*Arthur Lobato é psicólogo/saúde do trabalhador

 


Redes Sociais


     
EXPRESSÃO SINJUS
Clique e leia o Jornal Expressão SINJUS (Arquivo em PDF)
 
 
REIVINDICAÇÕES
Veja o que consta na Pauta de Reivindicações 2016 do SINJUS-MG
   
 
 
  ESPAÇO DO FILIADO
  Clique aqui para acessar seus dados cadastrais, despesas de saúde e andamentos de ações judiciais
   

Qual luta o SINJUS deve priorizar em 2017?
Redução da jornada de trabalho;
Auxílios para os servidores;
Plano de Carreiras;
Data-Base
 

 
   


Av. João Pinheiro, nº 39 - sobreloja - CEP - 30130-180 - Centro - Belo Horizonte - MG - Tel. 31-3213-5247.
| 1989 - 2016 | .:. SINJUS-MG TODOS OS DIREITOS RESERVADOS