Esta é uma versão antiga do site do Sinjus. Clique aqui para acessar o site novo.
 
Untitled Document
13/06/2014 - 11:00
Artigo do colunista Arthur Lobato fala de assédio e perseguição

No seu artigo de junho, o psicólogo e especialista em assédio moral, Arthur Lobato, explicita as perseguições que o trabalhador pode sofrer no ambiente de trabalho e fala das consequências dos abusos cometidos pelas chefias. De acordo com ele, quando um servidor tem privilégios e o outro não, isso pode se configurar assédio moral. 

  

 

Assédio moral e a perseguição

 

 

Uma das características do assédio moral é a perseguição que a vítima sofre. Segundo o dicionário, perseguição significa “tratamento cruel ou violento, medida arbitrária movida contra um individuo ou um grupo”. Há um tratamento diferenciado no ambiente de trabalho. A “flexibilidade” só existe para alguns colegas de trabalho, os quais podem se ausentar por problemas pessoais, chegar um pouco mais tarde, sair mais cedo, ir ao médico ou dentista no horário de trabalho, tirar artigo 70 perto de férias ou feriados, entre alguns exemplos.

 
Entretanto, existe no grupo de servidores um trabalhador que percebe que para ele a lei é a lei. Pequenos atrasos são motivos de reclamação por parte da chefia, os elogios são sempre feitos, pela chefia, aos outros colegas e nunca a ele. Há casos em que o servidor está com um familiar doente, em situação de risco de vida, e, mesmo assim, as chefias são inflexíveis, não aceitam o documento de presença do hospital e nem deixam compensar o dia, cortam logo o ponto.  O “famoso” artigo 70 é sempre negado, para este trabalhador.
 
Mais uma vez o que é uma questão de direito para o servidor, é confrontado e negado pelo poder de quem exerce o cargo de chefia.  Há cobranças excessivas ou injustas sobre o serviço, as advertências são praticadas sob o pretenso manto da legalidade, as avaliações de desempenho são injustas. Enfim, esses são alguns exemplos do tratamento diferenciado praticado por chefias contra o servidor, na forma de perseguição, subjugando a vontade do sujeito até o limiar de suas forças.
 
É sempre bom lembrar que o assedio moral no trabalho, é um conjunto de práticas perversas, com intenção de prejudicar uma pessoa. O assédio moral é realizado ao longo do tempo, muitas vezes com participação dos próprios colegas, instigados pela chefia. Assim, todo assédio moral contém atos de perseguir e prejudicar o trabalhador. O mal estar emocional e psíquico é vivenciado pelo trabalhador, causando desanimo, desmotivação, afetando, portanto, a autoestima, sua capacidade emocional e laboral. No serviço público, busca-se com o assédio moral a remoção do servidor do setor, já que após o processo de assediar, o que temos é o adoecer emocional, psicológico e físico do trabalhador, e, muitas vezes, a incapacidade laborativa da vítima de assédio moral.
 

 


Redes Sociais


     
EXPRESSÃO SINJUS
Clique e leia o Jornal Expressão SINJUS (Arquivo em PDF)
 
 
REIVINDICAÇÕES
Veja o que consta na Pauta de Reivindicações 2016 do SINJUS-MG
   
 
 
  ESPAÇO DO FILIADO
  Clique aqui para acessar seus dados cadastrais, despesas de saúde e andamentos de ações judiciais
   

Qual luta o SINJUS deve priorizar em 2017?
Redução da jornada de trabalho;
Auxílios para os servidores;
Plano de Carreiras;
Data-Base
 

 
   


Av. João Pinheiro, nº 39 - sobreloja - CEP - 30130-180 - Centro - Belo Horizonte - MG - Tel. 31-3213-5247.
| 1989 - 2016 | .:. SINJUS-MG TODOS OS DIREITOS RESERVADOS