Esta é uma versão antiga do site do Sinjus. Clique aqui para acessar o site novo.
 
Untitled Document
09/10/2012 - 14:00
Maternidade e Assédio Moral

* Arthur Lobato

Assédio Sexual e Assédio Moral

O assédio moral, muitas vezes, acontece com a mulher que negou o assédio sexual, ou, após término de um envolvimento afetivo/sexual. A mulher ao negar transformar-se em objeto sexual mantém sua dignidade, mas começa a sofrer o assédio moral, de forma perversa, uma vingança do homem que não respeita o ser feminino.

O assédio pode ser horizontal – entre colegas, e vertical – exercido pela chefia.
Em todo assédio moral há sempre uma questão ligada a não aceitação da diferença – gênero, idade, raça, religião, competência, estética, entre outros.

O feminino é objeto de ataques nos pontos vitais da mulher – como a questão da menstruação e da gravidez. As pesquisas científicas já colocam a TPM como causadora de vários sintomas nas mulheres, e neste momento de transformação hormonal, o assediador entra em ação. Por outro lado, na gravidez a mulher é questionada no seu desejo de ser mãe, é assediada na sua intimidade, como se o trabalho fosse mais importante que a vida, criando assim um sentimento de culpa durante a gravidez, na licença maternidade e na volta ao trabalho. Neste período além do assediador, alguém do grupo valida o discurso de que ela “abandonou” os colegas, insistindo na sua volta, e que “o chefe não está nada satisfeito com sua gravidez”.

Na volta ao trabalho, a mulher é novamente assediada, pois é exigido dela evitar ter mais filhos, para “não prejudicar mais o trabalho da equipe”. Piadinhas, como: “nunca ouviu falar de pílula”; “descansou muito”; “você engordou...” – são comuns, causando baixa autoestima na mulher vítima de assédio moral. O assediado é ridicularizado por aspectos subjetivos de sua personalidade.

A mulher ao sofrer o Assédio Moral começa a questionar sua subjetividade. Não percebendo ser vítima de assédio moral acha que o problema se deve ao fato dela ser feia, ou gorda ou velha – questões que não tem relação com seu trabalho, mas com o seu corpo e sua subjetividade. As vítimas de assédio moral mantêm um sentimento de terem sido rejeitadas, maltratadas, desprezadas, humilhadas.

O mal causado pelo assédio moral é irreversível, em muitos casos, causando paranoia, psicose maníaco-depressiva, fragmentação psíquica e desequilíbrio emocional. É fundamental que esta prática seja evitada para não provocar consequências graves no trabalho e na saúde do trabalhador.

* Psicólogo, jornalista e membro da Comissão de Combate ao Assédio Moral no Trabalho em sindicatos de trabalhadores


 


Redes Sociais


     
EXPRESSÃO SINJUS
Clique e leia o Jornal Expressão SINJUS (Arquivo em PDF)
 
 
REIVINDICAÇÕES
Veja o que consta na Pauta de Reivindicações 2016 do SINJUS-MG
   
 
 
  ESPAÇO DO FILIADO
  Clique aqui para acessar seus dados cadastrais, despesas de saúde e andamentos de ações judiciais
   

Qual luta o SINJUS deve priorizar em 2017?
Redução da jornada de trabalho;
Auxílios para os servidores;
Plano de Carreiras;
Data-Base
 

 
   


Av. João Pinheiro, nº 39 - sobreloja - CEP - 30130-180 - Centro - Belo Horizonte - MG - Tel. 31-3213-5247.
| 1989 - 2016 | .:. SINJUS-MG TODOS OS DIREITOS RESERVADOS