Esta é uma versão antiga do site do Sinjus. Clique aqui para acessar o site novo.
 
Untitled Document
09/10/2012 - 14:00
Formas de se Defender do Assédio Moral

* Arthur Lobato

Estudos revelam que a estrutura de trabalho autoritária e centralizadora é campo fértil para o exercício do autoritarismo, que significa a prática da violência moral ou psíquica no ambiente de trabalho.

Tanto o homem como a mulher no poder, quando autoritários, têm o mesmo comportamento: praticam o assédio moral com a mesma intensidade contra homens e mulheres. Mantêm a ambivalência do discurso, negando que haja problemas com o assediado, sendo que alguém do grupo de trabalhadores referenda o assédio através de críticas, ironias, fofocas, isolando a vítima de assédio do grupo. É importante lembrar que em todo assédio há um problema com relação à diferença.

O assédio surge na maioria dos casos quando os gestores usam do autoritarismo e de práticas perversas sobre o grupo de trabalhadores, na busca de conseguir seus objetivos, tendo como consequência queda de produtividade devido ao absenteísmo, licenças médicas, desunião do grupo, e pedidos de mudança de setor.

Para evitar este mal estar no trabalho, além de evitar o conflito, é importante não se distanciar do grupo, criando alianças com os colegas, detectando assim quem referenda o assédio no grupo e quem está solidário. É necessário, também, que se levante provas – testemunhas, documentos, e-mail, bilhetes, atestados médicos. Deve-se ficar atento a violações dos direitos do servidor e, se possível, anotar em um caderno, com páginas numeradas, as palavras, os atos, os dias, as pessoas presentes e a repetição das agressões, humilhações e ironias, para que se caracterize o processo de assédio moral.

O servidor que sofre o assédio moral deve procurar o sindicato para que sejam tomadas as providências jurídicas necessárias a fim de preservar a integridade psíquica do servidor no ambiente de trabalho e defender seus direitos.

Para finalizar, uma reflexão sobre o pensamento de uma juíza sobre o assédio moral: “O assédio, coação ou violência moral está ligado ao direito fundamental à dignidade humana, à imagem, à honra, à personalidade e à saúde do empregado, todos, direitos da Constituição Federal”. Claudia Reina, juíza do Tribunal Regional do Trabalho – 1ª Região (TRT/RJ).

* Arthur Lobato é psicólogo, e membro da Comissão de Combate ao Assédio Moral no Trabalho do Sinjus e Serjusmig.

Artigo publicado no jornal Expressão Sinjus Nº 161, em 28 de abril de 2008 
 


Redes Sociais


     
EXPRESSÃO SINJUS
Clique e leia o Jornal Expressão SINJUS (Arquivo em PDF)
 
 
REIVINDICAÇÕES
Veja o que consta na Pauta de Reivindicações 2016 do SINJUS-MG
   
 
 
  ESPAÇO DO FILIADO
  Clique aqui para acessar seus dados cadastrais, despesas de saúde e andamentos de ações judiciais
   

Qual luta o SINJUS deve priorizar em 2017?
Redução da jornada de trabalho;
Auxílios para os servidores;
Plano de Carreiras;
Data-Base
 

 
   


Av. João Pinheiro, nº 39 - sobreloja - CEP - 30130-180 - Centro - Belo Horizonte - MG - Tel. 31-3213-5247.
| 1989 - 2016 | .:. SINJUS-MG TODOS OS DIREITOS RESERVADOS